quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Contemplando a beleza com São Gilberto



           São Gilberto de Sempringham foi um homem fortemente marcado pelo encantamento. Sua vida é um sinal da beleza de Deus. Ele soube recolher em cada situação de sua existência humana os gestos de amor e de ternura de Deus a quem adorava em "espírito e verdade" (João 4,23b). 
               Cada situação vivida por ele era colocada em oração, pois, é somente na oração e nas lágrimas que é possível ter uma abertura de coração suficiente para se poder fazer uma leitura orante de cada realidade vivenciada. 
                 A beleza em São Gilberto está alicerçada em sua determinação e abandono que realiza em seu seguimento a Cristo de tal forma que, diante de todas as circunstâncias ao seu redor, ele pôde ser capaz de perceber os sinais da presença viva do seu Senhor. Seu abandono completo na Divina Providência revela que sua vida pertence a Deus. Sempre e por toda parte onde esteve, sobretudo, nos mais difíceis tempos de sua vida, ele compreendeu que sua vida e segurança estavam certamente em Deus.
                  Podemos dizer que a experiência de São Gilberto é a mesma de todos aqueles que depositam sua vida em Deus, porque é no coração de Deus que podemos descansar e sentir o aconchego de sua bondade. É um coração que educa para a vida e para os valores essenciais para a radicalidade de vida em movimento em direção a Deus e ao seu Reino revelado em Jesus Cristo.
               A vida é bela e em cada uma de suas etapas é clara a presença amorosa de Deus. Só quem mantém uma profunda intimidade com Deus é capaz de contemplar a sua ação e presença em todas as suas realidades, tanto as felizes quanto as menos felizes. Esta foi uma das características marcante em São Gilberto. Poder contemplar a beleza de Deus e ver resplandecer esta mesma beleza em sua vida. A beleza é o aguilhão que desperta em nós o amor e nos permite, através de uma ascese, termos um encontro místico, inefável e silencioso, no qual deixamos de lado até o próprio pensamento e nos abrimos à presença e ao super-derramamento de Amor do Uno, simples e primeiro.
                  Contemplação exige silêncio, interiorização, exige um esforço para colocar-se diante daquele que dá sentido à nossa existência, o Autor de toda a beleza, o Belo em sua essência. Toda esta realidade exige um fazer-se transparente consigo mesmo. Pela contemplação podemos nos elevar ao mais íntimo de nós mesmos, ao verdadeiro. 
                O discípulo de Jesus é alguém que alcançou esta dinâmica de vida porque foi apresentado em seu projeto de vida qual é o desejo de Deus para o homem. São Gilberto compreendeu este projeto.








Nenhum comentário:

Postar um comentário